19/10/2008

O CÃO E AS PESSOAS IDOSAS


O cão é uma excelente companhia para as pessoas de idade, que muitas vezes têm problemas de solidão, mas também pode ser afectado pelas relações que mantêm com um dono nessas condições.

O cão tornou-se num companheiro indispensável para compensar a angústia afectiva dos idosos, mas o caso pode ser grave quando o dono sofre de depressão.

A NECESSIDADE DAS PESSOAS IDOSAS

A necessidade dos idosos caracteriza-se por dois elementos: a busca de afecto e o desejo de ter um companheiro tranquilo e moderado nas suas manifestações.

A busca o afecto

A primeira exigência, por muito natural e simpática que seja, não deixa de gerar perturbações e inconvenientes. De facto, muitas vezes o cão percebe a necessidade afectiva e as demonstrações dos donos como sinal de submissão. Dar comida sob qualquer pretexto, como as pessoas idosas costumam fazer, também é entendido como um sinal de submissão no acesso ao alimento. Aceitar a presença do cão no quarto de dormir agrava a situação, pois o animal entende isso como sinal suplementar do reconhecimento da sua dominância. Quando o conflito se desencadeia, a diminuição do vigor físico também se converte numa desvantagem para o dono. Ainda mais grave é que, segundo se crê, os idosos com capacidades físicas comunicam com o cão de uma maneira involuntariamente submissa; de facto, a sua locomoção alterada pelas dificuldades físicas é percebida pelo cão como um sinal de submissão. Por outro lado, em caso de conflito o proprietário preferirá esquivar-se a ele a entrar num confronto físico, o que complica ainda mais as relações.

Um cão tranquilo e fácil



As pessoas idosas costumam manifestar a segunda exigência, o desejo de terem um cão tranquilo e fácil de manejar. Ora, muitas vezes o cão modifica o seu comportamento para satisfazer esse desejo. É frequente verem-se na rua cães na plenitude das suas capacidades que se passeiam ao mesmo passo que o seu dono na terceira idade.
A qualidade das relações dono-cão leva este último a adoptar certas características comportamentais: o seu ritmo de marcha, sua rapidez de reacção aos diferentes estímulos, o que lhe confere uma aparente velhice.

DEPRESSÕES PARALELAS

As depressões, frequentes nos idosos, também têm um impacto importante no comportamento do animal.
O estado depressivo caracteriza-se por uma diminuição global da actividade do indivíduo, bem como por uma grande variabilidade de humor. Este último aspecto é determinante na génese das perturbações do cão. De facto, devido à sua própria depressão, o proprietário tem reacções diferentes face a uma mesma falta cometida pelo cão. Esta incoerência, a par das mudanças de humor, engendra nele uma inquietação cada vez maior, que desemboca numa ansiedade. Estas perturbações transformam-se muito rapidamente numa depressão e a partir daí dono e cão fecham-se em depressões paralelas.

UM EXCELENTE SUPORTE AFECTIVO


Curiosamente o tratamento da depressão no cão dá lugar a uma notável melhoria do estado do proprietário. Quando o cão recupera a vivacidade e empurra dono a sair, a ver gente e a conversar com os seus semelhantes que também levam o cão a passear. Excelente suporte afectivo para o idoso, o cão deve andar vigiado pelo veterinário, que poderá aconselhar o proprietário e proporcionar-lhe a ida a um especialista , se for necessário.


27 comentários:

Ana Cristina Corrêa Mendes disse...

Maria Paula, gostei muito deste artigo, especialmente da parte da depressão, já me tinha perguntado acerca deste assunto...
Abraço e votos de uma semana fantástica.

Maria Paula Ribeiro disse...

Bom dia Ana

Fico contente pelo comentário.

É uma faixa etária que me toca muito na clínica. Em tudo devemos ter uma abordagem bem diferente. Quantas vezes eu não ouvi: "chegou a vez dele partir, a seguir sou eu"...
E ficam a um passo duma depressão...

Beijinhos

neo disse...

Maria Paula.
Olá , bom dia! e a todos os que ,de outras falas e sentires, a esta hora, por certo, disputam a tua atenção.
Eis um tema muito pertinente e que me fascina em prticular, porque de todos os animais, ditos domésticos, a minha relação com o cão é de pura amizade Platónica.
Estou a ver o mais recente dos abandonados, foi há dois ou três meses, ainda trazia uma coleira metálica, provavelmente com uma identificação, mas inacessivel, porque ele rosnava, fugia, virava o dente a cada aproximação. Um pelo negro ainda bonito e fome, muita fome de carinhos e de comida.
Vinha junto a mim a medo , eu tinha de me afastar e deixar o naco de comida possivel e ele comia e desandava, ladrando, ladrando sempre, como se quisesse dizer-me algo entre o bom e o lamento.Porque não era de mim que ele queria carinhos. Talvez tivesse havido uma criança na sua vida!... Havia dois mais antigos que o escorraçavam e não deixavam comer.
Passados estes 2 a 3 meses, ele já é mais tolerado pelos outros dois, já não foge quando lhe chego comida, olha-me admirado,abana o rabo,o pelo decrépito, mas mantém-se isolado dos outros. É um cão só.
Não permite festas e o seu olhar continua triste.
Lembro o meu cão e a relação de grande proximidade afectiva, as brincadeiras de quando o enxotava da cama e ele saltva sobre mim, alegre e terno, mordiscando-me a cabeça.
Ou de quando lhe pegava no osso que gulosamente abocava e lho procurava tirar. Rosnava mas nunca virava o dente. Por isso digo, penso e digo, um cão pode ser como nós se tratado como nós.
Beijinhos

Astrid Annabelle disse...

Maria Paula, mexeu comigo este seu post bonito!
Tenho uma relação "humana" com meu casal de boxers...a única coisa que não permito, por uma questão de espaço, é que durmam dentro de casa.
Sinto que sentem meus movimentos emocionais e que são regidos por estes. Se estou alegre assim estão, se estou triste....etc...
Sentem minha dor, meu prazer e digo: é o único relacionamento estável e duradouro que tive na vida...a troca é sincera!!!
Apesar de estar configurada como uma pessoa da terceira idade não me sinto como tal e meus boxers assinam em baixo, atuando como duas crianças brincalhonas!( A Íris tem sete anos e o Apolo seis)
Coisas da vida!
Lindo tema!
Um beijão querida!
Madrinha Astrid

Maria Paula Ribeiro disse...

Bom dia Neo,

Aos poucos conquistas o que à partida parecia inconquistável aos olhos do cão.
Há de chegar a altura m que brincará contigo.
Obrigado
Beijinhos

Maria Paula Ribeiro disse...

Bom dia Madrinha Astrid,

Não quero chamar de idosos aqueles que já se sentem na faixa etária que diz "terceira idade". Porque os há com bem mais alma que certos jovens...

Mas é uma faixa etária que por razões de vivência sentem muito mais essa relação...

Podem ser,por vezes "esquecidos" e "incompreensíveis", mas não aos olhos de um cão!

Será estúpido dizê-lo mas eles (cães) percebem muito mais essa velhice que certos familiares que ainda acham que um cão é um mais um fardo...

Valores, com pontos de vista diferentes, apenas isso...

beijo

António Rosa disse...

Olá Paula,

Gostei do teu artigo e espero não estar a cometer essas inconveniências com o Tibério.

A questão de «propriedade» não me soa bem.

Todos aprendemos a dizer «anda aqui ao dono» ou algo parecido. E isto não me soa bem.

Não me sinto «dono» de nenhum dos animais que vivem lá em casa.

Um beijo

António

Maria Paula Ribeiro disse...

Boa noite António,

É verdade o que disseste. Mas hierarquicamente se assim se pode falar, os animais "cívicos", são pertença de alguém, de um dono ou proprietário.

Todos nós somos "filhos" de alguém e no entanto concordo em não ser pertença de ninguém, mas sim de mim mesma.

Acho que foi isto que quiseste dizer... e concordo. :)

Jinho grande

adelaide figueiredo disse...

Boa noite Maria Paula

Serei mais uma a repetir que gostei muito do artigo.

Os cães entendem todas as nossas reacções. Os gatos também, mas de facto o cão é muito mais inteligente e dócil.

É pena que tantas pessoas não entendam isso e os tratem tão mal. Acho que essas pessoas serão também capazes de tratar os idosos mal.

Uma boa semana e beijinhos.

Adelaide Figueiredo

Maria Paula Ribeiro disse...

Boa noite amiga Adelaide!

Pode repetir as as vezes que quiseres que não me vou importar, lol

"serão também capazes de tratar os idosos mal." infelizmente, tenho de concordar contigo. Mas quem não gosta de animais, tem muito pouco amor-próprio, também.

Um jinho grande para ti, amiga. Quando crias um blogue? Se quiseres ajuda, vem até Trancoso que a gente faz isso num ápice!:) (Estou a falar a sério, só precisas de entrar no comboio, lol)

Ana Cavaca disse...

Olá amiga,
Adorei este teu post...concordo plenamente quando dizes que os amigos de quatro patas se apercebem do nosso estado de espírito... os cães e também os gatos...
Uma vez eu estava muito triste sentada junto à lareira a ver o crepitar das chamas...o meu gato, que nem era de muitas demonstrações de carinho, apercebeu-se e saltou-me para o colo, roçando-se para eu lhe fazer festas no seu pelo macio...muito bonito da parte dele pensei para comigo...e agradeci-lhe...
Bjocas

maria de fátima disse...

Bom dia Maria Paula achei muito interessante este artigo.Por exemplo a minha gata dorme comigo na cama, isso é bom ou mau?Sabes já tenho blog.É O Portal Mágico, o endereço é http://mimienanico.blogspot.com.
Beijinhos e um bom dia de trabalho para ti.

Maria Paula Ribeiro disse...

Olá Ana Cavaca,

Amiga, como vê e sentes os animais só posso concordar como tudo o que disseste. Eles são fantásticos.:)

:) jinho grande e um bom dia para ti.

Maria Paula Ribeiro disse...

Olá Fátima

O mais importante, quer seja cão/gato são os cuidados de desparasitação interna e externa.

Interna, por causa dos parasitas intestinais; podemos não vê-los mas estão aí. O animal pode não sair de casa mas nós somos os transmissores, seja pela sola dos sapatos, roupas, etc Nunca esquecer esse pequeno "grande" pormenor.

Externa pelos parasitas externos, pulgas/carraças..

Respeitando um protocolo apertado e para além desse, ter cuidados de higiene, então sim desfruta à vontade os carinhos dele e teu para com o teu "pet" :)

Jinhos

alexandra disse...

Ola amiga,
Aproveito este artigo para te dizer que todos nos temos tempo de envelhecer portanto, tem calma amiga, porque se nao fiquas com rugas !!!! Sera que me faço entender ??
Gros Bisou.

Maria Paula Ribeiro disse...

Xana, amiga

Não faço a mais pequena ideia de como conseguiste placa para me mandares o teu precioso recado. lol

Claro que entendi... e é claro que não vou conseguir o que me pedes...:(

Eu devo ter nascido a meio de um furacão... :(

Grosses bises a toi aussi et merci.

António Rosa disse...

Hi Paulinha,

Estou de regresso, aos poucos, depois de 18 dias sem computador em casa. Perdi centenas de endereços que tinha. Ficaram apenas aqueles amigos que estão no meu blogue... =)

Beijo

António

Maria Paula Ribeiro disse...

Boa noite António,

Ainda bem que só foram 18 dias.

Tens de te habituar em ter um disco externo para backups, não? dá jeito.
Nem que seja só para aliviar memo.

Mesmo que não estivesse no teu blogue, fico tranquila; bandarravet está no google. :)

Beijo

Joel Pinto disse...

Olá Paula...

Este teu texto, belo como os restantes, fez-me pensar naquela publicidade, creio que da liga portuguesa dos direitos dos animais em que estavam todos no funeral de alguém e depois de o enterrarem no cemitério, toda a gente vai embora a chorar e de repente entra o cão e deita-se em cima da campa do falecido.
O mote da campanha era "se até ele não é capaz de o abandonar, porque abandona você os animais?"
Foi das melhores publicidades que eu já vi até hoje em homenagem aos amigos de 4 patas.

Jinho grande.

Maria Paula Ribeiro disse...

Joel, amigo

Lembro-me bem dessa publicidade apesar de não ver televisão, lol, mas devo ter visto na hora do almoço :)
Muito tocante mesmo.

:* jinho grande

Samsara disse...

Muito interessante Mary Paula, nunca tinha pensado neste assunto desta forma.
Beijinhos

Joel Pinto disse...

Paula,

Aqui fica o link da publicidade que falei; Já está também no meu blog.
E, afinal, a campanha era da responsalibidade da União Zoofólia. Correcção efectuada.

http://www.youtube.com/watch?v=TsLQzf4qy5s

X Coração... para ser diferente.

Maria Paula Ribeiro disse...

Sam, amiga,

Mais uma vez, mensagem passada e assimilada. É bom sentir isso! :)

Jinho Xl e óptimo fim de semana.
Segunda não faltes ao encontro do serão! :)

Maria Paula Ribeiro disse...

Joel, amigo

Muiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiitas gracias!:)

Um dia mais tarde irá ser um complemento de um post. Fizeste-o tu agora e acho muito bem! :)

Assim o farei em outra altura; como o povo costuma te memória curta é bom voltar a relembrar...

Jinho Xl e bom fim de semana

A. S. disse...

Como sou nova nestas andanças, antes de mais, SUCESSO!!Finalmente vim conhecer este teu espaço!!E nao podia ter vindo em melhor dia.Este tema é-me particularmente querido, uma vez que trabalho eu na area da geriatria. Quanto ao texto...concordo e mais teria a acrescentar!!!Mas deixo isso as minhas opinioes para o meu espaço (em fase embrionaria!), que no teu mandas tu!!ahhhhhh ja me esquecia...a pituxa vai ter bebes (outra vez)!!! Beijos Amiga!!

Maria Paula Ribeiro disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Maria Paula Ribeiro disse...

Amiga AS,

Espero que as minhas deduções em relação à tua pessoa... não estejam incorrectas...

Carina, certo? E só cheguei lá pela Pituxa! LOL

Agradabilíssima visita amiga, já vou conhecer o teu sítio.
Aguarda-me

Jinhos,muitos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...