22/04/2009

DESAPEGO


Talvez um dos maiores desafios pelo qual passamos diariamente na nossa vida, seja a do desapego. Na nossa condição de ser humano, todos os dias enfrentamos situações de apego: objectos pessoais, casa ou outras propriedades, carro, animais de estimação, dinheiro, pessoas, emprego, saúde ou até mesmo, a própria doença. Apegos, uns mais fortes do que outros, mais difíceis de ultrapassar, seja por medo, por fraqueza, por ilusões ou desilusões, por tortura egocêntrica, ou mesmo por padrões culturais e religiosos enraizados desde tenra idade...

A vida e os seus problemas devem ser encarados e lidados de frente, mas não são coisas às quais devamos-nos apegar. É verdade que o dinheiro tem a sua importância, mas a pessoa que se apega a ele torna-se avarenta e escrava do dinheiro. É muito fácil apegarmos-nos à nossa beleza, às nossas aptidões ou às nossas posses, e assim nos sentirmos superiores aos outros. É igualmente fácil nos apegarmos-nos à nossa fealdade, à nossa falta de aptidões ou à nossa pobreza, e assim nos sentirmos inferiores aos outros. O apego às condições favoráveis leva à avidez e ao falso optimismo, enquanto que o apego às condições desfavoráveis leva ao ressentimento e ao pessimismo. Sem dúvida alguma, o nosso apego às coisas, condições, sentimentos e ideais é muito mais problemático do que possamos imaginar.

O apego encaminha-nos para um caminho doloroso, sombrio, quando continuado, proporcional à força que possui. Ficamos com raiva, preocupados, tornamos-nos ávidos, fazemos queixas infundadas e temos todos os tipos de complexos. Toda estas causas de infelicidade, tensão, teimosia e tristeza são devidas ao apego.

O maior apego que tenho vivido e sentido, foi o apego pelo meu pai. Partiu há precisamente 19 anos, no presente dia. Tinha eu 16 anos, numa idade em que me sentia quase adulto, mas perder um deles, foi como ter ficado sem apoio, sem amparo e sem alicerces. Não é minha intenção reviver esse momento, mas sim, ao caminho que me fez percorrer. Enfrentar o caminho do apego, é enfrentar um caminho de medo envolto por um sentimento de total insegurança. Tenho vindo a lutar, todos estes anos, ao desapego de uma dor interna e irascível, que se tinha acumulado.

Tentar compreender e sentir a minha própria vida, como ser humano, um ser de luz, com a minha própria individualidade, não alicerçada por alguém, mas apenas por mim própria. Entender que é pela via do desapego que desperta o mais puro e genuíno do nosso ser, da nossa individualidade, uma vida de iluminação. Afinal, quando nascemos, "ninguém é de ninguém".

Uma luta interna e profunda que me fez percorrer uma viagem a solo, num túnel construído por mim própria, caminhando de lado com o meu próprio ego. Uma viagem que me fez conhecer as minhas cruéis fraquezas, o meu lado mais egoísta, frio e sombrio. Puro egoísmo, quando pensei que "aquela pessoa" me fez falta, pois subestimei os meus limites. Pura baixa auto-estima pois subestimei os meus valores e toda a minha força interna. Quantos de mim foram actos de egoísmo, de ira ou de raiva como se pudesse partir um copo em mil pedaços dentro da minha própria mão, sem sentir dor? De complexos de inferioridade pelos meus companheiros de vida? De tristeza imensurável, por vezes? Todas estas condições, foram tomadas de consciência impregnadas de fortes emoções, que me levaram ao ressentimento, à ira, ao pessimismo, algumas vezes mesmo, ao ódio. Mas foram indispensáveis. Serviram-me de uma experiência de valor incomensurável, e foram o ponto de partida para engendrar por novos caminhos.

O desapego purifica a nossa mente, os nossos vasos sanguíneos, os nossos órgãos, sistemas, todo o fluxo energético que jorra dentro de nós e nos alimenta. Durante anos tentei perceber o apego, e, consequentemente, o do desapego. Sentir por um lado, uma força interna de pertença, e por outro lado, um desejo intenso de me libertar de algo que sabia que já não me pertencia (se alguma vez o foi). Aceitar que chegou a hora, este momento, o da libertação.

É certo, levei muitos anos a tomar essa atitude, a do desapego, mas uma tomada de consciência que vem de dentro, da minha própria alma ou espírito. É uma predisposição interior, não é um processo exterior. Não me tornarei uma pessoa mais fria perante a vida, nem tão pouco mais desinteressada bem pelo contrário, do desapego deriva um calor interior e quando acompanhado por uma atenção plena ao próprio presente, deriva compaixão. Cultivar a atitude de desapego, é cultivar emoções positivas, de generosidade, de fraternidade, de paciência, de complacência, de amor, todos eles, ingredientes indispensáveis à nossa própria felicidade.

Nos últimos anos, fui sentindo com mais intensidade que a vida é mutável; todas as coisas são mutáveis; todas as condições são mutáveis. Comecei a aprender a "deixar ir" as coisas. Todos os abusos, a raiva, a censura, o ódio; deixar que eles venham e que se vão. Tudo o que faço, devo fazê-lo com sinceridade, com honestidade, humildade e com todas as minhas forças; e uma vez feito, feito está. Tentar não me apegar.

Muitas pessoas se apegam ao passado ou ao futuro, negligenciando o importante presente. Devemos viver melhor o "agora", com plena responsabilidade.

Já os sábios o diziam, como Buda: "Quando o sol brilha, desfrute-o; quando a chuva cai, desfrute-a. Todas as coisas nesta vida - deixe que venham e deixe que se vão. Este é um segredo da vida que nos impede de ficar aborrecidos ou neuróticos".

No presente dia, decidi dar a mim mesma um passo importante, com consciência empenho, humildade e honestidade para comigo própria: deixar o caminho do apego, e iniciar um novo, transcendendo-me, uma verdadeira sensação de metamorfose...

Tal como disse Yoda: "Precisamos desaprender o que aprendemos".

Maria Paula Ribeiro

26 comentários:

MICRO disse...

Cara amiga!

Muitos parabens pelo blog em geral e por esta mensagem em particular, gostei e ajudou. Simples e profundo... Votos das maiores felicidades pessoais e profissionais. Que o melhor do teu passado seja o pior do teu fututo.

Nuno C2l2is

António Rosa disse...

Paula

Lendo tudo com muita atenção e respeito.

Um beijo

António

Ana Cavaca disse...

Amiga Paula,
Gostei muito da tua mensagem...foi profunda...
Bjinho grande

Maria Paula Ribeiro disse...

Bom dia Nuno,

Em primeiro lugar, obrigado pela tua visita e palavras.

Quanto ao resto, e porque és meu amigo desde o dia que cheguei à Trancoso, sentir que te ajudei, me torna feliz amigo.

Muito obrigado.

Beijo

Maria Paula Ribeiro disse...

António,

Obrigado, amigo.

Beijo grande

Maria Paula Ribeiro disse...

Bom dia Ana Cavaca,

Muito obrigado. São tempos vividos que me obrigam à uma leitura interior profunda.

Um beijo grande

bruna :) disse...

Menina bonita...!
Disseste tudo...

beijinho *)

Maria Paula Ribeiro disse...

Bruna,

Um abraço grande.

Vou sair, hora dos "esticões" ;-)

Beijinho

Adelaide disse...

Paula

Lendo e compreendendo-te, gostaria de te dizer que deves sempre pensar que nada é para sempre e que deves viver sempre o momento o melhor que conseguires.
Plutão mexeu bem contigo. Desapego é um dos efeitos, resnascimento também. Muita coisa haveria a dizer mas tu própria já a entendeste.

Gostei de ler tudo e só te posso dizer segue em frente e liberta-te :)

Beijos

Adelaide Figueiredo

Maria de Fátima disse...

Olá Maria Paula que sejas feliz é tudo o que te desejo.Beijinhos.

Maria Paula Ribeiro disse...

Adelaide,

;-) Há sempre tempo para tudo. Curarmos-nos também tem o seu tempo, e neste momento acho que tento aproveitar as oportunidades que me têm chegado.

Obrigado amiga.
Beijinhos

Maria Paula Ribeiro disse...

Maria de Fátima,

Obrigado. Todos temos de a encontrar.
E está dentro de nós próprios!

:) Beijinhos

Isa Grou disse...

Olá Maria Paula,

Que lindo texto... sincero e profundo...
Fico muito feliz que tenhas optado por "este caminho"... a vida é sem dúvida uma sábia e grande escola... nunca se esqueça disso...

Abraçar o "novo" e deixar ir o "velho" com gratidão e desapego, também é sempre uma sábia decisão... PARABÉNS, viu!

Grande beijo.

Samsara disse...

Mary Paula

Este texto está magnífico, vem de dentro, do mais profundo de ti. Essa autencididade sente-se.

Fico feliz que estejas a superar os teus medos. A vida não é fácil, mas é uma jornada fantástica e é com esta atitude que vale a pena vivê-la.

Beijinhos Grandes

Maria Paula Ribeiro disse...

Isa,

Amiga, lembraste de eu te dizer no teu post que andávamos em sintonia?

Muito obrigado

Somos obrigados a crescer nesta vida e fico muito grata que assim o seja.

Beijo grande amiga

Maria Paula Ribeiro disse...

Oi Sam,

Plutão é fantástico nisso, quando tomamos consciência da ajuda com que nos ajuda a cavar fundo.

Foram quase 2 meses de volta deste post, com pesquisa também à medida que o sentia, escrevia, escrevia escrevia...

Obrigado linda

Beijo grande

Fada Moranga disse...

Querida Doutora!

Grande Maria Paula! Ja tinha visto este titulo e por varias vezes tentei vir ca ler e sempre tive desvios. Pelos visto tinha que ser hoje.

Gostei muito de ler-te.
22+4+2009=10... O numero do Renascimento! :-) Parabens!

Um graaande*beijo de Fada

Maria Paula Ribeiro disse...

Fada,

;-) "O numero do Renascimento", e de que forma.

Já to disse, não me canso e ler o teu email sobre o meu 5!

"Renascer" uma nova pessoa, é isso que sinto!

Obrigado amiga! Beijo **** de Vet

FadaMoranga disse...

Olha e eu nao me esqueco da folha de couve... :-)))

Muita saudinha e Luz na nova vida!
Beijos***de Fada

Castelo de Asgard disse...

Gosto mesmo deste blog. Este tema também já me tem dado que pensar... até breve :) *****

Maria Paula Ribeiro disse...

Fada,

:))))))))))) Só tu mesmo!
Beijo e boa semana!

Maria Paula Ribeiro disse...

Bom dia Castelo de Asgard,

Muito obrigado pelas tuas palavras.
Que sejas sempre bem-vinda aqui.

Abraço e até breve

António Rosa disse...

Já vi que estás no Blogblogs. Parabéns. Daqui a uns meses notarás a diferença. Quando escreveres tags em qualquer site não ponhas acentos nas palavras... :)))

Maria Paula Ribeiro disse...

António,

O melhor padrinho que posso ter!
;-)

Obrigado,kiss kiss

Astrid Annabelle disse...

Não faço a menor idéia o que fazia nesse dia que não li este seu post Maria Paula.
Repare como a vida mudou desde então.
Muito significativo o que escreveste...vou passar o link deste post para os meus filhos, principalmente o Marcelo que ainda não se conforma com a morte do Pai, ocorrido no ano desta publicação, em um dia 22...de junho.
Beijos com amor.
Astrid Annabelle

Maria Paula Ribeiro disse...

Astrid,

Talvez não o tenhas lido por aqui, mas leste e comentaste-o na comunidade de Astrolgia... ;)))

Eu lembro-me disso...

A "minha" cura que seja levada onde for preciso...

Beijo grande

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...